Reunião discute saída de Anita Pires da FCC e consequências para a cultura em SC


Aproximadamente 30 pessoas compareceram ao Plenarinho da Assembléia Legislativa na noite de quarta-feira (5/5), para participar da reunião que tinha como pauta discutir a saída da Professora Anita Pires da presidência da Fundação Catarinense de Cultura (FCC) e as possíveis conseqüências que esse fato pode trazer à área cultural de Santa Catarina.
 
Anita Pires pediu exoneração do cargo ao ficar sabendo, de forma indireta, que o governador Leonel Pavan (PSDB) havia convidado o colunista Cacau Menezes para ocupar seu lugar. A forma como a situação foi conduzida pelo governo acabou provocando uma série de reações negativas, que motivaram a reunião organizada pelo Fórum Cultural da Capital.
 
O encontro – que foi transmitido ao vivo, via internet, através do site www.sarcastico.com.br  - foi prestigiado pelos deputados Ângela Albino (PCdoB) e Décio Góes (líder da bancada do PT na Assembléia), e pelos vereadores Renato Guesser (PR) e Ricardo Vieira (PCdoB), que deram declarações sobre os recentes acontecimentos. Angela Albino e Décio Góes se dispuseram a marcar e intermediar uma audiência com o novo secretário de Turismo, Cultura e Esporte, Valdir Walendoswsky (empossado pelo governador Leonel Pavan em 22 de abril).
 
Esse, aliás, é o próximo passo programado para dar continuidade aos necessários debates sobre o tema. Se a ideia inicial do Fórum ao convocar a reunião de quarta-feira era a de se elaborar uma lista tríplice com nomes de pessoas ligadas ao setor para substituir Anita Pires, por votação, a decisão dos presentes foi a de não indicar candidatos, mas sim cobrar do governo a continuidade dos projetos em andamento na FCC.
 
O futuro das ações já programadas e em andamento é a grande preocupação das pessoas que atuam na área cultural do Estado. Há uma série de acordos firmados pela então presidente da FCC com o Ministério da Cultura (MinC), além de editais estaduais e ações pontuais (como a reforma e modernização do Centro Integrado de Cultura – CIC), conduzidas pela presidência da Fundação de forma considerada adequada pelos presentes. Se interrompidas, podem provocar uma crise no setor em Santa Catarina.
 
O deputado Décio Góes destacou a importância da reunião para estimular o debate sobre a cultura no Estado. “A cultura precisa ser tratada com o respeito que merece, o que não tem acontecido em Santa Catarina”, afirmou. Opinião semelhante foi manifestada pelo Vereador Ricardo Vieira, para quem a reunião da noite de quarta-feira reflete o modo como devem ser debatidas as políticas culturais: “A Cultura precisa ser o centro das políticas públicas e o modo principal de inserção social. Ela não pode ser relegada a segundo plano”, finalizou.
 
Como proposta final do encontro, a Frente Parlamentar em Defesa da Cultura deve se reunir com o Secretário Valdir Walendoswsky para entregar um documento pedindo a continuidade dos projetos e ações iniciados na gestão de Anita Pires, que fica no posto até o dia 13, quando deve assumir seu sucessor.
Pontão Ganesha